domingo, 26 de dezembro de 2010

Como será o Hospital do Davi?

Muitas pessoas perguntaram: Como seria o Hospital do Davi? Quantas crianças este hospital iria atender? Como funcionaria o Hospital?

Nossa ação tem o apoio de alguns médicos que trabalham na área da Cardiopatia Congênita, e o Dr. Valdester (Cirurgião) nos forneceu muitas informações para que vocês conheçam um pouco o hospital dos sonhos do Davi e de centenas de crianças.

Vejam alguns documentos enviados pelo Dr. Valdester:
- Situação da Cirurgia para Cardiopatias Congênitas no Brasil
- Cirurgia para Cardiopatias Congênitas - Regionalização

Nosso intuito é sensibilizar o Governador Cid Gomes a nos ajudar nesta campanha, promovendo uma expansão do Hospital de Messejana e dedicando uma área exclusiva para as crianças.

Esta iniciativa também já conta com apoio de outros parceiros (escritório de arquitetura, etc.) e segue abaixo uma apresentação de como será o Hospital de Congênitos (Fundação Coração VIVO):



Para que você me ajude nesta iniciativa, basta preencher o formulário abaixo:

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Notícias do Davi e Corrida da Fé

Amigos(as),



Primeiramente, gostaria de dizer a todos que o Davi completou 7 meses de vida e está super bem. Já fizemos o exame de trinta dias após a cirurgia e o mesmo médico que deu o laudo da doença dele comentou: “ele não está bem, está ótimo”.

Estamos muito felizes com a plena recuperação do Davi. Vejam abaixo uma foto do “gorducho” tirada na 2ª. feira (dia do seu aniversário de 7 meses):






Por coincidência, ontem recebi um e-mail da campanha para ajudar o Kaio a encontrar um doador de médula óssea. Minha família já está no cadastro do REDOME para ser um possível doador. É algo simples.


Basta ir ao HEMOCE e tirar uma amostra de sangue. Vamos ajudar!!!!



No final de semana passado (6ª. feira), nosso grupo de corrida foi de Fortaleza-CE a Canindé-CE correndo, e segue abaixo um pequeno relato de nossa aventura.



Foram 101,5 kms no percurso abaixo:




Toda vez que comentava com alguém que iria de Fortaleza a Canindé correndo, ouvia uma frase: "isto é coisa de maluco". Naqueles minutos aguardando ansiosamente a partida, realmente sempre pensava nessa frase. Será uma insanidade? Se pensarmos bem, é algo meio insano, porém tinhamos um objetivo que era ajudar um amigo a concretizar um sonho.



Lembro ainda do dia em que o Tarcísio disse: "Tenho o objetivo de ir correndo de Fortaleza até Canindé, são cerca de 100km". Pensei: "Caramba, 100km, como é que se consegue correr tudo isso?". Tarcísio comentou que já tinha ido a pé, a Canindé, que seria uma corrida noturna. A idéia seria sair no final da tarde de Fortaleza e chegar a Canindé no início da manhã do dia seguinte. Apesar de já ter corrido a distância da maratona (42km), a idéia ainda me assustava.


O Tarcísio, decidido a concretizar esse sonho agora, em 2010, começou a fazer o seu planejamento e a se preparar fisica e emocionalmente para o desafio. Começou também a convidar seus amigos de corrida para participar com ele. Eu disse que iria se tudo corresse bem no outro desafio que eu tinha para 2010: resolver os problemas de saúde do meu filho Davi, que nasceu com uma cardiopatia congênita chamada de Tetralogia de Fallot. O Davi fez a cirurgia no dia 26 de agosto de 2010 e teve alta no dia 7 de setembro. Quando voltei a Fortaleza, recebi um e-mail do Tarcísio:



"Edgy/Wander,

Fico contente em saber que o pequeno Davi está bem. Por isso, citei os nomes num cartão que pretendo imprimir e distribuir junto com o folder da Corrida da Fé e gostaria de colocar para a apreciação de voces e se posso fazer.

Obrigado.

Tarcisio"



Nesse folder, havia a seguinte mensagem que transcrevo para vocês:



PORQUE A "CORRIDA DA FÉ"



Muitos indagam o verdadeiro motivo desta corrida. A resposta vem com outra pergunta. Por que os poetas fazem romances? Por que os músicos compõem melodias? O escritor acha sua inspiração no idealismo de contos de fada. O compositor externa o amor através da música. Para o corredor, basta ter uma Largada e uma Chegada. Sua inspiração está baseada em superar seus limites. O suor, a fadiga, o cansaço fazem parte deste momento. Toda Largada é composta de "objetivos" e de "desafios". A corrida exige do corpo esforços que podem chegar a limites extremos que são importantes na vida do corredor, pois é através deste limiar que se consegue estabelecer sonhos. A recompensa atinge o ápice, no momento em que o último passo ultrapassa a Chegada.



O percurso de Canindé tem vários anos de caminhada, o qual fazemos religiosamente no mês de Outubro. Normalmente, levamos 96 horas (quatro dias), com paradas programadas até a Basílica de São Pedro. Nos últimos três anos, este percurso foi reduzido para 36 horas de caminhada. O desafio, desta vez, é fazer o mesmo percurso em 15 horas. A corrida terá uma distância de 102km, que necessitará de uma preparação específica e muita Fé n'Ele, que, durante todo o percurso, estará sempre do nosso lado. Será uma corrida, também, de agradecimentos: primeiro, por estarmos todos com boa saúde e, segundo, por estarmos vivendo um momento de graças, pois oramos pela recuperação do pequeno Davi e temos certeza de que Ele esteve presente nas horas mais difíceis da família do Edgy.



Tarcísio Chaves”



Ao ler o folder, decidimos, eu e Luciana, que eu iria participar, embora estivesse sem preparo físico e faltasse apenas um pouco mais de um mês para a corrida. Entre esse primeiro passo e o segundo, voltar a treinar, fui definir, como participar, que distância percorrer, que preparação eu teria que fazer. Comecei a treinar com a turma novamente, principalmente aos sábados, e consegui a façanha de sair de um treino máximo de 12km (que eu tinha feito nos três últimos meses) para correr 28km de Fortaleza até Aquiraz. Ao concluir esse treino que foi feito junto com os amigos Tarcísio (que ainda iria voltar para Fortaleza para completar os 50km), Wander, Claudener e Haron, voltei a ter confiança e defini meu objetivo. A Luciana teve um apoio fundamental nessa fase, pois ainda tinhamos alguns cuidados especiais com o Davi (remédios, etc.) e ainda precisava ter algum tempo para treinar. Mesmo achando meio loucura esta ida para Canindé, ela sempre deu um jeitinho para que eu pudesse fazer os longões. Valeu, Lu!



Depois que completei minha primeira maratona em 2008 (Chicago), imaginei que poderia correr uma maratona por ano nos anos seguintes. Já havia completado a maratona de Porto Alegre em 2009, e estava programado para correr a Maratona do Rio, em 2010, porém o problema de saúde do Davi me fez desistir da Maratona do Rio. Daí pensei, poxa, se não deu para correr no Rio e agora o Davi está bem, por que não corro a minha maratona na Corrida da Fé? A minha decisão foi de correr uma maratona completa no inicio do percurso e uma meia maratona no final do percurso. Seria o equivalente a uma prova que tem na Disney, que se chama "desafio do pateta", em que a pessoa corre a meia no sábado e a maratona no domingo. Eu iria fazer exatamente o contrário, correr a maratona (42km) e depois a meia-maratona (21km) cerca de 5 a 6 horas depois. Segundo o meu amigo Zivaldo, seria o “desafio do babaca” J.



Tinha em mente que não estava preparado para correr 102km, e que ia ser muito difícil completar o meu objetivo, até por que não tive a tempo suficiente para treinar o que seria devido para realizar este objetivo.






Largada da Corrida da Fé



Chegamos à Polícia Rodoviária às 15h e esperamos o resto do grupo e, quando todos chegaram, começamos a nos organizar para a partida. Everton começou um super alongamento e, após, fizemos uma grande roda, ficamos de mãos dadas e rezamos um Pai Nosso.



Que "... seja feita a vossa vontade ...".



Partimos com os olhos brilhantes e com a vontade de concretizar o sonho do Tarcísio, que seria correr de Fortaleza para Canindé e, junto com ele, aquele grupo de amigos, de sonhadores, que sabiam que bastava ter uma "Largada" e uma "Chegada".



No nosso grupo, além do Tarcísio, o nosso amigo Fernando Mineiro também iria correr os 102km. O restante iria correr trechos alternados ou então 10km em cada trecho. A decisão do grupo foi que o Tarcísio e o Fernando não iriam correr sem alguém ao lado deles.



Meus amigos corredores sabem que sou o "pace man" (pessoa que controla a velocidade/ritmo), aquele cara que fica olhando sempre no Garmin (relógio com GPS que informa a velocidade e distância) e informando tudo nos treinos: tá lento, tá rápido, km 5, km 10... etc. Sendo assim, fui logo convocado para vestir um colete luminoso e manter o time no ritmo.



Luizinho deu a largada, soltando um "rojão" e assim que o barulho ecoou nos nossos ouvidos, cliquei no start do meu relógio e iniciamos a nossa corrida.









Tivemos um apoio sensacional da Polícia Rodoviária, que nos acompanhou do Km 0 até o outro Posto da Polícia (km 37) e nos orientou sobre a questão de segurança na estrada. Nosso amigo Nival esteve na largada e conversou com o pessoal da PRF para nos apoiar. Valeu, Nival.



Eu era o "pace man", daí comecei e gritei alto: "kilômetro um, seis e quarenta". Corremos a seis minutos e quarenta segundos, que era o "pace" esperado. Depois gritei: "kilômetro dois, seis e trinta e três", em seguida, "kilômetro três, seis e trinta e três". Nisso a Simone falou que eu iria ficar rouco rapidinho de tanto gritar, afinal de contas eram 100km e não 10km.



Disse a ela que não se preocupasse, que eu era o "homem do pace" e já estava acostumado. Agora o difícil mesmo, foi controlar o meu amigo Claudener, que sempre queria aumentar o ritmo e ultrapassar o carro de apoio que estava na frente. Eu sempre gritava: "Claudener, volta... mais leve...", bom... depois de muita insistência, o Claudener começou a obedecer e a andar num ritmo mais leve (claro que depois não deu mais para controlar o Claudener e lá estava ele na frente).



Na semana anterior a nossa ida, eu havia lido uma reportagem sobre ultra-maratonista onde comentavam que era muito importante uma caminhada durante o percurso, e definimos que a cada 40 minutos iríamos caminhar 2 minutos. Esta decisão foi fundamental, pois era neste momento que realizávamos toda a hidratação e também a suplementação (gel, capsulas de sódio, etc.). Então além de falar o ritmo, eu tinha que, a cada 40 minutos, gritar: "caminhar". Nisto, o nosso amigo Everton que ficava no apoio ficava correndo de um lado para outro levando água, gatorade, água de coco, etc. para todos. Acho até que ele correu quase uma maratona nestas idas e vindas que foram fundamentais.



Bom, como bom corredor, começamos a comemorar a chegada aos números terminados em zero, lembro bem que quando chegamos ao Km 3, o Enéas comentou que saímos do objetivo de 3 dígitos e agora estamos no objetivo de 2 dígitos (faltavam 99 kilômetros). Quando completamos 10km, o grito foi maior, e chegamos ao nosso primeiro objetivo no km 17 já combinado que iríamos parar 10 minutos (esta decisão foi do Tarcísio naquele momento). Então só deu tempo de comer algo, ir ao banheiro, suplementar mais um pouco e já estávamos novamente na estrada. Neste momento, alguns companheiros ficaram descansando e seguimos em frente. Como havia dito no início, meu objetivo era correr uma maratona (42km).



Chegamos então ao Km 20, e logo depois completamos a meia-maratona, neste momento o grito de "meeeiiiaaa maraaattoooonnaaa" foi bem alto e todos comemoraram. Depois fomos adiante e a cada kilometro eu continuava dizendo o "pace" e também chegamos ao km 30 (“killlooommeeetrrooo trriiiiiinta”). Ao chegar no km 37, já tinhamos todo o apoio montado e paramos agora 15 minutos. O grupo ia voltar a crescer, pois algumas pessoas iriam retornar a corrida. Naquele momento, faltavam somente 5km para mim, para o fabrício (que nunca correu uma maratona na vida), para o Tarcísio e para o Fernando completarem a maratona. Com o retorno de outros corredores, o grupo voltou a crescer e ao chegar no km 40, gritei "kilometro quuuaaarreeenta". Daqui a pouco o Luizinho pega outro "fogo de artifício" e ao completarmos a maratona, ele solta o rojão que ìluminou nossas cabeças e nossa alma (“mmmmmaaaaaraaaaaatoooooooooona”). Eu estava radiante, e como estávamos super bem, decidimos correr um pouco mais.



Teve até uma brincadeira do Fabrício com outro colega que no meio da corrida falou, cara, tu ainda nem correu uma maratona :-), hehehe o Fabrício então resolveu correr uma maratona + 1 km só para brincar com o amigo. Mas como tudo é brincadeira neste grupo, eu resolvi também seguir o conselho do Fabrício, e ai os amigos começaram, poxa, já fizeram 42km, para 50km tá pertinho :-). Hehehehe Acabamos resolvendo correr 50km, eu e o Fabrício (claro que o Tarcísio e o Fernando iriam fazer era os 100km) :-).



Bom, foram mais subidas e descidas (esqueci de comentar, mas o percurso é todo de subida e descida, o que dificulta muito para o corredor) e chegamos ao km 45, entao, gritei: "kiiiilllooommmeetroooo quuuaaareeennntttaaa eeee cccciiiiinnnnccccooo".

Eu nunca tinha corrido tanto na minha vida, estava super emocionado. Continuamos correndo a chegamos ao kilômetro 50. Este grito foi super alto: "CIIIIIIIIIIIIIINNNNNNNNNNNNNQQQQQUUUUUEEEEEEEEEEEEEEENNNNNTTAAAAAAAAA!!!".



Era o momento de darmos uma caminhada e eu diria que foi um momento de lucidez meu e do Fabrício de pararmos neste momento, pois a gente não tinha treinado para correr tantos kilômetros.



Apesar de faltar somente 7km para a nova parada, já tinha superado o meu objetivo e o fabrício correu sua primeira maratona, ou poderia dizer ultra-maratona.



Passei o meu relógio para o Tarcísio e disse com a voz firme: "cara, mantém o ritmo, não esquece o tempo para as caminhadas e boa sorte!!!".



Neste momento, fomos para o carro de apoio que nos levou até a próxima parada no km57. Eu e o Fabrício chegamos a Campos Belos e nosso amigo Genésio (ex-massagista do Ceará e massagista do grupo) fez uma massagem para destravar todos os nossos músculos. Ao tirar o tenis, apareceu aquele "calinho de estimação" que eu sempre tenho em corrida longa. Segundo o que eu li para resolver o problema do calo em ultra-maratona, deve-se pegar uma seringa com iodo, e injetar iodo dentro do calo (já pensaram na dor). Como não tinhamos iodo, o Genésio apenas disse que estava pequeno e colocou um esparadrapo no local.



Troquei a meia, a blusa e descansei até a chegada do grupo. Pensei que dava para dormir, mas a adrenalina é enorme...



Daqui a pouco o Tarcísio chega e me entrega o relógio, descansa um pouco, e esta parada, que era do jantar, foi um pouco mais demorada. Uma equipe chegou com o jantar de Fortaleza (para variar jantar de massas) e preparou tudo no esquema de "self-service". Estava realmente delicioso o macarrão e o molho que eles preparam, e a coca-cola gelada deu mais forças para continuarmos. Não sei se vocês sabem mas os Atletas que fazem o ironman, tomam coca-cola durante o percurso. Foi o que aconteceu conosco também.



Depois do jantar, saímos para correr e como eu iria correr somente o último percurso, neste momento, o Tito, o Zivaldo, o Fábio, o Haron, o Tarcísio e o Fernando partiram juntos e o Enéas e a Simone foram de bike. Deixei meu garmin com o Haron e corri até um dos carros de apoio mas como estava lotado, acabei indo no carro de apoio da frente dos corredores junto com o Diogão. O local era meio apertado para quem correu 50km, e o pior, ficar ao lado do Diogão não é nada confortável (vocês devem imaginar o tamanho do Diogão. Brincadeira Diogão). Comecei a acompanhar os corredores dentro do carro mas não conseguia dormir, então eu pensei, acho que vou voltar a correr.



Mudança de planos novamente, sai do carro, e comecei a correr com o grupo e voltar a ser o "pace man" daqui a pouco "kiiilllooommmeeetrrrooo seeeettteeeennntttaaaa", e aqueles momentos de corrida/caminhada. Depois chegamos ao "kiiiilllooommmmmeeetttrrrroooo

ooooiiiittteeeennnnttttaaaa" e avistamos a cidade de Caridade. Paramos em Caridade e agora faltavam somente 20km. A Coca-Cola havia acabado e, em Caridade, alguem conseguiu comprar mais Coca-Cola , foi o momento de comermos muita fruta (o Luizim só reclamou direto que tinha comprado um estoque de banana e nada dos corredores comerem bananas), comemos melancia, melão, sandubas, chocolates, biscoitos, etc. e mais Coca-Cola. Já estava quase nascendo o dia quando saímos para o último percurso. A Julyana, que foi fundamental em todo apoio até aquele momento, chegou para o Tarcísio e disse, agora eu vou correr 5km com você. Saímos, eu, Fernando, Tarcísio, Julyana, Wander e Daniel.



Neste momento, meus "calos conhecidos" se multiplicaram (acho que foi um erro ter colocado os esparadrapois, pois um se soltou e gerou um calo num local imprevisto), mas resolvi continuar para completar a meia-maratona. Ao completar a meia-maratona, tive a idéia de ir para o carro de apoio onde estava a enfermeira e me fiz um super curativo nos meus calos. Esperei chegar quando faltasse 7 a 8km para começar a correr no final. Afinal de contas, depois de correr uma maratona e meia, não chegar nos últimos kms seria realmente uma "insanidade".



Foram os momentos mais emocionantes, comecei a correr e aqueles "calos conhecidos" estavam incomodando, mas como já tinha feito o curativo, mantive a postura e segui em frente. Daqui a pouco tem a placa "Canindé 5km". Era hora da caminhada e aproveitamos para tirar uma foto ao lado da placa. Poxa, 5km, é menos que a beira-mar ida e volta, porém eram 5km até a entrada da cidade, e faltavam mais ou menos uns 7km para chegarmos no objetivo final: "A Basílica". Tarcísio e Fernando estavam firme e fortes, e o Tarcísio sugeriu uma parada de 5minutos na Polícia Rodoviária, porém aconteceu o inesperado, ao chegarmos na Polícia Rodoviária, um carro saiu em escolta dos corredores na frente do comboio. Tarcísio disse, agora não vamos mais parar, e decidimos ir em frente, a emoção começou a tomar conta de todos. Estávamos chegando, e no meu caso, eu já nem sentia os "calos". Ao entrar na cidade, fomos recepcionados pelo Secretário de Turismo que entregou para o Tarcísio e Fernando a "Chave da Cidade".




Tem um detalhe interessante nesta corrida. O Fernando gosta muito de correr descalço (até comenta conosco que é melhor), e quando chegou no km10 ele resolveu tirar o tenis (na verdade ele não usa um tenis com amortecimento e sim apenas algo para cobrir os pés), e a partir do km10 começou a correr descalço. Se eu não tivesse visto, não acreditaria. Foi incrível, acho que ele é de outro planeta, correu cerca de 92km descalço, sempre naquela linha branca que separa a pista do acostamento. Acho até que ele chegou com os pés melhores do que o meu J. O Tarcísio também foi um guerreiro, pois desde o início tinha em mente que iria completar os 101km e chegar bem.



Vocês não imaginam a emoção de estar chegando, e eu diria que todos os corredores que participaram da "Corrida da Fé" podem se considerar "Maratonistas". Todos, sem exceção, correram mais de 42km. Estávamos todos radiantes e daqui e pouco chega o carro de som da Paróquia anunciando a chegada dos corredores da "1a. corrida da fé". Não tinha mais nenhuma caminhada, todos estavam correndo a mantendo o ritmo, a felicidade era enorme, e começamos a ficar cada vez mais perto da Basílica, a multidão de pessoas abria espaço para a chegada dos corredores, e de repente, fizemos a última curva a esquerda e ficamos a 50 metros da Basílica.



Neste momento de grande emoção, os amigos corredores, que tinham um sonho, deram aquele sorriso, aquele abraço e fizeram novamente uma grande roda, onde todos juntos, inclusive os que não correram mas foram fundamentais, como todos os motoristas, o massagista e a enfermeira, rezaram em tom alto um "Pai Nosso" de agradecimento.



Em seguida, recebemos uma placa comemorativa da 1ª Corrida da Fé do Vigário de Canindé, em seguida, ele deu uma benção a todos presentes e nos purificou com água benta. Foi outro momento de grande emoção.




No meu caso, apesar de não ter feito nenhuma promessa pelo Davi, recordei todos os momentos que passei neste ano e muito emocionado, chorei e agradeci a Deus por ter nos dado força, confiança e fé. Foi realmente com muita fé que conseguimos chegar! Agradeço muito ao Tarcísio esta oportunidade do momento de graças pela recuperação do pequeno Davi.



Agora em Dezembro irei completar 5 anos que deixei de ser sedentário e iniciei a prática esportiva de corrida.

Nunca havia imaginado na minha vida que conseguiria correr 78km.



Obrigado Deus pela saúde do Davi por ter nos dado força e saúde!!!



Para finalizar, gostaria de compartilhar abaixo o texto do Wander sobre a corrida da fé e fazer um agradecimento especial aos organizadores desta corrida: "Tarcísio, Wander e Luizim". Sem o apoio e dedicação de vocês, nada teria acontecido. Foi tudo PERFEITO!!!

Ao restante do grupo, gostaria de dizer que todas as brincadeiras, camaradagem, apoio, dedicação, esforço, suor e lágrimas foram fundamentais e não me esquecerei do rosto emocionado de cada um de vocês na chegada.

Não posso deixar de comentar do apoio na Execução da Julyana (com suas surpresas e o delicioso café da manhã na casa de sua irmã), das massagens do Genesio, da fisio/pilates e corrida do Everton (seu espírito forest gump no apoio), da moto do Luciano, do Helano, do Jacaré (que ainda correu conosco) e dos outros motoristas e da equipe que trouxe o jantar.



"... se trabalharmos nossos sonhos e limitações, podemos alcançar tudo que tenha um significado importante para nossa vida..." Valmir Nunes



Texto do Wander:



"Aos amigos que acompanharam treinos e noticias sobre a CORRIDA DA FÉ, gostaria de informar que nosso Desafio foi um SUCESSO e conseguimos completar nossos objetivos.

Nosso amigo Tarcísio Chaves compartilhou conosco o objetivo, e o convite fez com que nos empolgássemos em compartilhar com ele o desafio, um desafio entre amigos.

A Corrida da Fé foi marcada pela união de um grupo seleto de amigos que, focados no mesmo objetivo, treinou com muita determinação e compartilhou todos os custos envolvidos. Comboio de carros de apoio, alimentação, hidratação e até mesmo refeição quente de massas no km 60 proporcionou a esta corrida a estrutura de que necessitávamos nas 4 paradas planejadas e durante todo o percurso.

Na véspera do Desafio, quinta-feira 14/10, foi feita a apresentação - por parte da organização - de todo o planejamento, e também feita a distribuição de folder, dedicatória e kit para cada participante.

Nossa Corrida da Fé teve início no dia 15/10/2010 pouco antes das 17h, no posto da Polícia Rodoviária Federal na BR-020/BR-222. Fomos recebidos em nossa chegada na manhã de sábado 16/10/2010, às 7h30 - ainda na entrada da cidade - pelo Secretário de Turismo do município que, em nome do Prefeito Municipal, entregou aos ultramaratonistas Tarcisio e Mineiro a chave da cidade, sob os aplausos de todos nós e da população.

Também fomos recebidos com festa na praça da Basílica pelos demais Romeiros - sob fogos de artifício - como uma forma de reconhecimento ao Desafio, o que muito nos honrou.

Recebemos das mãos do Vigário a Placa Comemorativa da 1ª Corrida Fortaleza a Canindé, o qual aproveitou a oportunidade para abençoar a todos os corredores e equipe de apoio formado por Motoristas, Paramédicos, Treinadora, Profissional de Pilates/Fisioterapia.

Nossa corrida foi marcada não só pelo aspecto esportivo, mas também pelo caráter religioso de que se reveste Canindé nesta época. Esta seria a última semana dos festejos religiosos da Romaria ao Santuário São Francisco das Chagas de Canindé – Ceará.

Completamos o desafio até Canindé dentro das 15h planejadas, ultramaratonistas Tarcisio e Fernando Mineiro o percurso inteiro de 101,5km, e os demais as diferentes distâncias a que nos propusemos correr no total (40km a 80km).

A todos nós, que compreendemos os riscos e os aceitamos, meus parabéns. Foi uma honra ter participado - junto com um grupo de amigos tão especial - de um Desafio de tamanha proporção. Emocionante. Inesquecível.”



"Quem sobreviver e voltar para casa em segurança acordará todo ano nesse dia, mostrará aos vizinhos as cicatrizes e contará histórias de todos os grandes feitos da batalha. Contará ao filho estas histórias e seremos lembrados deste dia até o final dos tempos.

Nós, um bando de poucos e felizes irmãos; porque quem derrama o sangue comigo é meu irmão..."

"Discurso da Guerra", Henrique V (Shakespeare)



FOI EMOCIONANTE. SERÁ INESQUECÍVEL!!!







domingo, 26 de setembro de 2010

Notícias do Davi direto de sua casa

Amigos(as),

Hoje é um dia muito especial para nossa família, pois faz exatamente um mês que foi realizada a cirurgia no Davi. Naquele dia, a ansiedade era imensa e apesar de todos os riscos que existem neste tipo de cirurgia, sempre tivemos fé e acreditamos que Deus iria fazer o melhor pelo Davi.

Para vocês terem uma idéia, foi realizado na cirurgia do Davi o procedimento de circulação extracorpórea, que é "uma técnica aplicada mundialmente nos casos em que o coração precisa parar de bater (cardioplegia) para que a cirurgia seja realizada. O sangue é desviado para a máquina, que faz o papel do pulmão, de oxigenar o sangue, e do coração, de bombeá-lo". Em resumo, no caso do Davi, o coração e o pulmão dele foram "desligados" e uma máquina fez o papel do coração e pulmão para que o médico realizasse o procedimento cirúrgico.

Desde que chegamos de São Paulo, continuamos a ter muito cuidado com o Davi, pois, apesar da cirurgia ter sido muito bem sucedida, ainda tinhamos que completar outra fase do pós-operatório. Sempre pegamos o Davi pelo pescoço e bumbum, pois é extremamente proibido pegá-lo pelas axilas, já que ainda possui muitos "pontos internos" que podem romper. Além disto, continuamos com os cuidados em relação a ambientes fechados, doenças, etc.

Estivemos nesta última semana, visitando os médicos que acompanham o Davi, o Tio Beto (seu pediatra) o viu na consulta de 6 (seis) meses e disse que ele estava ótimo, que não havia perdido peso e já estava liberado para uma dieta diferente, com papinha de fruta e sopinhas, além de sucos. Comentou também da importância deste primeiro mês após a cirurgia, e também da necessidade de visitar a Tia Klébia (cardiopediatra). A consulta foi no sábado (18/09) e já tinhamos agendado a consulta com a Tia Klebia na 3a. feira (21/09). Fizemos um manual de perguntas para os dois... eram coisas do tipo, o que temos que fazer em relação a isto ou aquilo... parecíamos ainda pais de primeira viagem naquela consulta de 7 dias de nascido. Acho que era a ansiedade voltando um pouco :-).

A consulta foi exatamente no dia que o Davi fez 6 (seis) meses, e para nós, este dia foi de muita felicidade. Primeiro, pelos excelentes comentários do pediatra a respeito da saúde do Davi, depois por termos ido à missa agradecer a Deus e por fim, por termos feito uma pequena comemoração de aniversário do Davi. Ele estava uma graça neste dia, rindo por tudo, e toda vida que a gente cantava para ele uma musica que dizia assim: "Você é especial, não existe outro igual ..." ele soltava gargalhadas.

Vejam as fotos do Davi na hora que cantávamos esta música:


















Nesta outra foto ele já estava dando gargalhadas:





















No final do dia, na hora de dormir, eu e a Luciana comentamos que havíamos colocado em nossa agenda que ele iria realizar a cirurgia no 6o. mês, pois é o que normalmente ocorre aqui no Brasil com os bebês que nascem com Tetralogia de Fallot, mas no caso do Davi foi diferente, por ele ter um Fallot de boa anatomia, o Dr. Marcelo achou que já podia operá-lo logo e ele fez a cirurgia com um pouco mais de 5 meses. Comentamos um ao outro, que era muita felicidade termos comemorado este 6o. mês do Davi com ele já operado e saudável.

Na 3a. feira passada fomos visitar a Tia Klébia e assim que o Davi viu aquela pessoa de jaleco branco fez logo um biquinho de choro. Por enquanto ele ainda estranha algumas pessoas e se tiver de jaleco, faz logo biquinho mesmo (acho que é um trauminha de UTI). Ela brincou e disse que biquinho lindo... e fez uma graça para ele não chorar. Ele acabou não chorando, e ela começou a conversar conosco, saber mais detalhes, e ao ver os exames, comentou que estava tudo ótimo. Durante a consulta, o Davi tomou a mamadeira (esta foi a tática utilizada para ele não chorar com a Tia Klébia) e ela continuou vendo os exames e conversando um pouco. Em seguida, ela foi examiná-lo e ao final disse uma frase que nos deu um grande alívio: "Ele está ótimo e agora vocês precisam relaxar um pouco.". O Davi irá fazer um exame com 30 (dias) da cirurgia que é um Ecocardiograma, e deve continuar sendo acompanhado. Será algo assim, visitas mensais, depois trimestrais, semestrais e no final de ano em ano. Ela comentou sobre os cuidados que temos que ainda ter com o Davi, mas falou novamente que estava tudo ótimo :-).

Lembra que comentamos que estas coisas mudam a vida da gente, é, acho que mudam mesmo, e mudam para melhor. Mesmo já sendo uma família muito unida, agora sentimos que somos mais unidos ainda. Não havia falado ainda, mas o carinho que o Gabriel e Tiago (irmãos de 7 e 6 anos) tem pelo Davi é enorme, eles não tem ciúme e nem ficam chateados ou preocupados quando temos que deixar de ir a algum passeio por que não temos com quem deixar o Davi. São super amigos e cuidadosos com o Davi. Fazem brincadeiras com ele e são muito compreensivos com tudo que passamos.

Queria aproveitar este e-mail para me desculpar caso tenha esquecido de responder algum e-mail que foi enviado. Foram centenas de e-mails com palavras de carinho e fé e como alguns e-mails necessitavam respostas tentava sempre responder o mais rápido possível, mas talvez possa ter me esquecido de algum.

Obrigado a todos.

Edgy, Luciana e Família

Ahhhh, iamos esquecendo de uma foto do Davi se lambuzando com uma papinha de Goiaba:

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Davi recebeu alta e já está em casa

Amigos(as),

Terça-feira (7 de Setembro) foi um dia muito especial para todos. Por volta de 10h veio a primeira médica olhar o Davi e disse que ele estava bem sem o dreno, mas que a questão da alta seria decidida após se reunirem (mais de um médico) e olharem com detalhes o último Raio X que ele fez no final da noite de 2a. (após tirar o dreno). Ficamos aguardando ansiosamente esta decisão mas sabíamos que, se fosse necessário, iríamos ficar mais tempo com o Davi no hospital até que ele se recuperasse completamente.

Neste período, começamos a preparar um questionário com "n" perguntas para fazer para médica caso ele tivesse alta, eram coisas do tipo, e agora, que cuidados temos que ter com o Davi, se podia tomar vacinas, se podíamos já pegá-lo pelo braço, etc. e toda vida que lembrávamos que mais algumas coisa, colocávamos nesta listinha.

Bom, por volta de 13h a Dra. Anna chegou e falou: "O Exame dele deu ótimo, melhor do que estava antes, e vamos dar a alta do Davi agora". Vocês não imaginam a nossa felicidade naquele momento, estávamos radiantes, depois de quase 2 semanas vivendo dia a dia a situação do Davi, aquela frase foi uma grande benção que recebemos.

Naquele momento, lembrei da frase de Dom Hélder Câmara que coloquei no primeiro e-mail pedindo orações em prol do Davi: "É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas a graça das graças é não desistir nunca." e passou na minha cabeça a lembrança de tudo que passamos desde o nascimento do Davi. Olhei para a Luciana e pensei: "conseguimos graças a você". Falo isto, pois mãe tem amor incondicional ao filho, e a Luciana foi um exemplo de mãe neste caso, para vocês terem uma idéia, ela ficou os primeiros 30 dias do Davi sem sair de casa, só cuidando dele. Quando ele completou um mês, eu disse a ela, vai ali na Padaria com o Gabriel e o Tiago e os seus pais tomar um café. Foi quando ela foi e fiquei cuidando do Davi em casa. Nestes quases 6 (seis) meses, dormimos todas as noites com o Davi, e cuidamos dele com muito carinho, pois sabíamos que ele era um presente de Deus especial para nossa família. Até no momento em que ele foi hospitalizado quando completou 2 meses (ele teve crises de hipoxia e ficou 6 dias hospitalizado no Hospital de Messejana), a Luciana dormiu todos os dias com ele (teve alguns dias que eu fiz revezamento com a Dona Celeste), e posso dizer que ela é a pessoa mais importante para o Davi, que esta vitória foi conquistada graças a sua dedicação, força e acima de tudo, AMOR pelo Davi. Lu, nós te amamos!!!

Não posso esquecer da nossa fé, que foi fundamental em todos os momentos. Sabíamos das inúmeras dificuldades que iríamos passar e sempre tivemos fé de que tudo daria certo, que a cirurgia seria um sucesso, que o Davi iria se recuperar e no futuro teria uma vida normal. Com a graça de Deus, até agora, tudo tem dado certo e posso dizer com certeza que hoje somos pessoas bem diferentes e melhores depois de tudo isto.

Tem uma música do Gonzaguinha que se chama "Semente do Amanhã" (http://letras.terra.com.br/gonzaguinha/280650/) que acho realmente muito linda, pois temos sempre que ter fé em Deus, “fé na vida, fé no homem, fé no que virá! nós podemos tudo, Nós podemos mais". Nossa fé foi fundamental em todos os momentos.

Partimos de São Paulo ontem, dia 08/09, com o Davi. No aeroporto encontramos com o Márcio (meu sócio) e o Érico Fernandes (IVIAno) que estavam chegando em São Paulo para participarem do evento da Você S/A – Exame com as 150 Melhores Empresas para Trabalhar do Brasil 2010. A IVIA ficou entre as 150 e estamos muito felizes por fazer parte desta família. Almoçamos com o Érico, Márcio e Roberta e depois partimos para Fortaleza com o Davi. A viagem foi tranquila, o Davi estava um pouco enjoado, mas foi tudo bem. Quando o avião pousou em Fortaleza eu e a Luciana abraçamos o Davi e agradecemos a Deus. Foi muito emocionamente para nós.

No aeroporto em Fortaleza estavam nos esperando o Gabriel e o Tiago que fizeram muita festa com o Davi e este sorriu bastante para eles. Estava também os avós Oton e Celeste, meu irmão Sidarta e os amigos Alexandre, Renata, Karla, Júnior e Veka. Foi muito bom rever todos. Obrigado pela presença de vocês.

Em relação aos agradecimentos, temos primeiramente, que agradecer a Deus por ter nos dados este bebê maravilhoso que é o Davi, bem como agradecê-lo por estar com o Davi e conosco em todos os momentos. Obrigado Deus por tudo que fez pelo Davi.

Não tenho palavras para agradecer a minha esposa Luciana por tudo que ela fez pelo Davi, é até difícil escrever, estou com os olhos cheios de lágrimas, lágrimas de felicidades, por você existir em nossas vidas (minha, do Gabriel, do Tiago e do Davi).

Aos nossos filhos Gabriel e Tiago pelo amor que tem pelo Davi e pela compreensão de passarem 2 semanas longe dos pais. Eles até comentaram que os avós Oton e Celeste faziam que nem o papai e mamãe. Lembro da primeira vez que fizemos uma video-conferência com eles que eles perguntaram "Cadê o Davi, cadê o Davi?" e não queriam nem saber do Papai e da Mamãe, mas bom, eles realmente foram sensacionais, e se comportaram bem neste período.

Aos avós do Davi, Oton e Celeste, por sofrerem conosco cada momento que passamos, e também por cuidarem com muito carinho dos nossos outros dois filhos. É muito difícil para uma pessoa sair de sua casa e se mudar para casa de outro, eles fizeram isto, sairam do aconchego do seu lar e se mudaram para a nossa casa para cuidar do Gabriel e Tiago (o Gabriel, Tiago e Davi são os únicos netos, mas parece que daqui a pouco a cegonha vai bater na casa de algum irmão da Luciana). Como bons avós, devem ter feito todas as vontades dos garotos, mas sempre digo, avô e avó é para isto, estragar, nós, pais é que temos que consertar as crianças.

O Tio Dedé (Wander), que além de divulgar as notícias para todos os outros amigos, nesta corrente de fé, também esteve muito presente para ajudar os avós a cuidarem das crianças. Levava e deixava o Gabriel e Tiago em suas outras atividades, como natação e inglês. Além disto, sua preocupação diária com o Davi era enorme, e acho que ele vai ganhar um presente de aniversário (será dia 12/09) que é estar conosco e o Davi saudável e forte neste dia com ele. Valeu Dedé!!!

Meus irmão Sidarta e Netinho ligavam diariamente para saber notícias e acompanhavam de perto todos os momentos do Davi, nos confortando e sempre dizendo que tudo ia acabar bem. Acho que eles, e todos as pessoas que souberam do caso do Davi, estavam certos.

No dia da cirurgia, além da Renata, tivemos a presença da Jana e seu marido Dani que também foram ótimos, pois como havia morado muito tempo em São Paulo, e também em um navio (ela foi fotógrafa destes cruzeiros internacionais e foi lá que conheceu o marido Dani) tinha muito assunto para conversar, e isto ajudou na espera por notícias da cirurgia. Claro que, em vários momentos, a Luciana, Renata e eu rezamos em prol do Davi.

Os Padrinhos do Davi, Rodrigo e Letícia, pegaram um võo e passaram conosco o primeiro final de semana que passamos em São Paulo, vocês não imaginam o quanto foram importantes para a gente a presença de vocês naqueles 2 dias. Era um momento muito complicado e vocês nos trouxerem muita esperança e tranquilidade. Depois da visita, ficaram ligando diariamente (era quase um chat) para saber notícias.

Teve também as duas "super babás" que nos ajudaram em dois momentos importantes, na chegada e na saída, tudo está detalhado nos emails anteriores, mas novamente, obrigado Renata (responsável pela Dança do Dinossauro) e Roberta (Que cuidou divinamente bem do bumbum do Davi).

A minha mãe e meu pai (in memoriam) que tenho certeza que onde quer que estejam, fizeram uma forcinha para ajudar o Davi nesta caminhada.

Agradeço a disponibilidade do trabalho (IVIA) que tive no período da cirurgia, pois meus sócios Alexandre e Márcio, que além de sócios são grandes amigos, conseguiram juntamente com toda a equipe da IVIA tocar a operação sem a minha presença. Aos IVIAnos e IVIAnas que foram muito solidários ao Davi. Valeu galera.

A todos os que foram visitar o Davi e a todos que doaram sangue em prol do Davi, meu muito obrigado. Acabei de ligar para o Banco de Sangue para saber como estávamos e veja que que conseguimos chegar ao número de 15 doadores. Tivemos mais pessoas que foram doar, mas só os 15 estavam capacitados e fizeram a doação. Falta somente 1 pessoa . Mesmo tendo alta, ainda podemos doar, pois como falei em outro e-mail o sangue é para repor o banco de sangue e não necessariamente para o Davi. Para quem não mora em São Paulo, foi sensacional termos conseguido 15 pessoas. Agora só falta 1 (uma) pessoa. Conto com vocês!!!! Vai que estão viajando a trabalho, passa lá no HCor e pronto 30 minutos e a doação é feita.

Aos médicos que sempre cuidaram com carinho do Davi desde o seu nascimento, ao seu pediatra Dr. Alberto Lima, obrigado pelo acompanhamento e oraçoes, à Dra. Klebia Castello Branco, cardiologista que sempre deu uma atença especial ao Davi. A equipe do Dr. Marcelo Jatene e todos os médicos, enfermeiras e auxiliares do HCor que foram excepcionais. Obrigado a todos.

Tivemos a ajuda de algumas pessoas que além de nos indicar a Dra. Klebia, conseguiram nos ajudar para conseguirmos uma consulta rapidamente.Obrigado Melicia e Carina. Também teve a ajuda enorme da Auxiliadora (Diretora da IVIA) para resolver as questões burocráticas antes da cirurgia. Valeu Aux.

Não posso deixar de lembrar da assistência que tive do Plano de Saúde do Davi (CAMED). Além do apoio do Diretor Luciano Comin, tivemos várias visitas do médico da CAMED em São Paulo (Dr. Kalil) que sempre nos apoiou pessoalmente. Muito Obrigado a todos da CAMED.

A Todos os outros familiares, amigos, colegas, que também diariamente ligavam, oravam e mandavam notícias. Meu muito obrigado a todos vocês.

Tivemos amigos que encaminharam mensagem para outros amigos, e daqui a pouco, tinhamos uma grande corrente em prol do Davi.
Cada mensagem foi lida por mim e pela Luciana e sempre nos dava mais força e esperança. Acho que chegamos na casa de centenas mensagens, e-mails, twitters, SMSs, etc.

Agora estamos em uma nova fase (lembra das perguntinhas que falei no começo deste e-mail), ainda temos que ter bastante cuidado, e as recomendações foram:
• Evitarmos visitas, pois o Davi acabou de fazer uma cirurgia grande e não é aconselhável que ele adoeça.
• Ele tem muitos pontos internos, e devemos ter uma preucação enorme ao pegá-lo. Não podemos pegá-lo pelas axilas por 3 meses. Temos sempre que pegar como pegamos bebês recem nascidos, uma mão no pescoço e outra no bumbum.
• Banho de sol não é aconselhável por 2 meses por causa da cicatriz
• Temos que agendar com a cardiologista em 2 semanas e fazer um exame eco em 30 dias da data da alta
• Vamos ter que ir ao pediatra para ver a questao de alimentação, etc.

Em breve, quando tivermos passado por esta nova fase, vamos agendar uma missa de ação de graças, e se Deus quiser, eu estarei fazendo parte da Corrida da Fé (grupo de amigos que vai de Fortaleza para Canindé (102km) correndo do dia 15 a 16 de outubro à noite). Vou tentar fazer 3 trechos (seráo 5 trechos de 20km). Iremos agradecer a Deus pela saúde do Davi.

Para concluir, vamos sempre dizer ao Davi: "filho, você é um campeão". Na verdade, todos que contribuiram direta ou indiretamente para este momento são campeões. "Nós somos os campeões...".

http://www.youtube.com/watch?v=04854XqcfCY
(We are the champions)
http://www.youtube.com/watch?v=1FXDSttG5Zw
(Versão Engraçada. Crazy Frog Soccer)

Obrigado por tudo e abraços a todos.

Edgy, Luciana e Família

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Davi com novas notícias direto do HCor - SP

Amigos(as),

O Davi continua se recuperando bem e estamos muito confiantes que estaremos em casa esta semana.

Uma das coisas que não comentei foi que o Davi acabou tendo umas assaduras no bumbum, e isto incomodava muito, toda vida que iamos trocar a fralda ele chorava muito. O Hipoglos não resolvia e passamos a usar o Bepantol. Dai me lembrei que havia pedido ao Tio do Davi numa viagem para os EUA para trazer umas pomadas da Johnsons, porém como ele não encontrou no WalMart acabou trazendo uma pomada que ele viu lá, chamada de Balmex. Num momento de lucidez, lembrei desta pomada que ainda não tinha sido usada e que era super consistente (Zinco a 11,3%), e pedimos a Roberta para trazer de Fortaleza. Não é que a pomada melhorou mesmo e hoje ele está quase bom, portanto, depois da assadura, Hipoglos e Bepantol não ajuda muito.

Aproveitando, depois da chegada da Roberta, resolvemos mudar um pouco o script da troca da fralda dele. Ahhh, tinha um detalhe, toda vida que ele comia, pronto, fralda suja. Neste ponto, conversamos com a médica e ela sugeriu tirar a lactose temporariamente e só assim ele passou a sujar menos fralda e prejudicar o bolso do pai (vai ter que tomar por algum tempo o Nan1 sem lactore). Bom, sobre o Script, como ele sentia dor, a Luciana passou a transferir a função de limpadora de bumbum oficial para a Roberta (se precisarem, podem contratar pois está aprovadíssima), pois a Luciana ficava conversando com ele e o colocava de lado, enquanto a Roberta limpava com algodão e água e depois Balmex em grande quantidade. Minha função era somente de gerente de projeto de troca de fralda, sempre atendendo os prazos e satisfação do nosso cliente Davi .

Mudando um pouco de assunto, no Domingo recebemos visitas aqui no Hospital. O Geraldo veio com a família no horário do almoço e o Enrique com sua mãe e filha vieram no período da tarde. A filha do Geraldo (futura pediatra) olhava com muita atenção minhas explicações sobre a tetralogia de fallot e a cirurgia em si (acho que vai ser médica mesmo). Depois fui com o Geraldo tomar um café e jogar conversa fora. O Enrique chegou com sua mãe e filha de 2 anos (que eu ainda não conhecia), sua filhinha era muito simpática e não parava. A mãe do Enrique como sempre super simpática e feliz por estar em São Paulo passeando com o filho e a neta.

Na segunda, recebemos uma visita inesperada, de surpresa, que foi da Irmã da Auxiliadora que veio a São Paulo passar o feriado, ela viu o Davi e estava muito feliz por ter vindo. Disse que a irmã não podia vir e que mandou o cunhado para doar sangue. Pobre do Honório saiu a pé daqui do HCor até o A.C. Camargo (1,5km) para doar sangue e ainda ia ficar 24 horas sem tomar uma (sei que ele gosta), mas bom, no final do ano, nas festa das criancinhas que fazem no interior, a gente vai tomar uma lá, ok, honorio? Obrigado pela visita e pela doação.

No mesmo horário recebemos a visita do Marcio Salmeirão e da Miriam que vieram também conhecer o Davi. A conversa foi muito boa e o Salmeirão havia me dito que iria doar sangue junto com a Miriam, porém como estava fechado no HCor eles acabaram não doando, e no final ainda me confidenciou que estava meio medroso, coisas da família Salmeirão.

Voltando ao assunto dos doadores, o Geraldo falou logo que estava no anti-inflamatório, o Enrique comentou teve hepatite B, e já o Salmeirão no final me confidenciou que era um "Cagão" (foi ele que me disse este termo, acho que é termo de Paulista) que estava mesmo com medo de doar sangue e ainda bem que estava fechado hoje. Bom, Salmeirão, ainda é possível doar e não se preocupe, é que nem fazer exame de sangue, é super rápido, e tem um sanduba + suco no final.

Ontem foi um dia de fortes emoções por aqui. Descemos no final da manhã para fazer o Raio X do Tórax do Davi e como ele estava com o dreno ainda, foi no braço da Luciana comigo ao lado levando a bolsa de coleta. Feito o Raio X, ficamos uma parte da tarde aguardando o resultado do Raio X, pois era fundamental para a decisão de tirar o dreno ou não. Por volta de 16h45 a médica chega e informa que o resultado do Raio X foi muito bom, e que às 17h30 iriam tirar o dreno e também o acesso que ele tinha no pescoço. A médica nos comentou que o único problema é que, se entrar ar nos pulmões, ele vai ter que ficar mais um tempo no hospital, e que com adultos é fácil não entrar ar, pois ele ficam quietos e não respiram, já as crianças sempre choram e isto aumenta a probabilidade de entrar ar (mesmo assim a probabilidade é pequena).

Foi uma ótima notícia e ficamos aguardando ansiosamente a médica nos chamar para tirar o dreno e o acesso. Levamos o Davi para uma sala ao lado e começamos a segurá-lo. A Médica iniciou o procedimento e comentou que realmente ele iria sentir dor. Começou tirando os curativos e os pontos que fixavam o dreno. Os pontos foram super bem feitos e estava dificil tirar com uma tesoura, dai ela pediu algo parecido com uma gilete, e começou a tirar os pontos, teve um momento em que tinha um ponto que tinha que ser puxado pela enfermeira e depois cortado pela médica, que precisão ela cortou o último ponto (nesta hora eu fiquei meio tenso com medo da médica errar e cortar o Davi) e pronto estava na hora de tirar o dreno. A médica falou para enfermeira se preparar e rapidamente puxou o dreno e a enfemeira fechou (como se fosse um curativo). Foi super rápido e isto é necessário para também não entrar ar nos pulmões. O Davi neste momento deu um choro maior, e a Luciana o consolou.

Depois foi a parte de tirar o acesso do pescoço, mas era mais simples e a médica deixou a enfermeira para fazer isto, ela também tirou os pontos, limpou e depois puxou o acesso, mas neste caso o Davi não sentia dor, e estava já mais calmo. Ele saiu da sala super cansado e estávamos felizes. Ao chegar no quarto e depois ele dormir a Luciana caiu no choro de felicidade, ela foi consolada e está bem tranquila. Nesta hora o Davi estava dormindo profundamente.

Fomos também ao Raio X uma hora depois pois era necessário isto para saber se entrou ar nos pulmões ou não. Após o Raio X voltamos para o quarto. Conversei com a enfermeira para saber se teríamos algum resultado ainda ontem e ela informou que só amanhã (hoje) é que a médica iria ver e avaliar. Em seguida, iria tomar a decisão de dar alta do Davi ou não.

Realmente, foram muitas emoções ontem!!!

Davi agora está sem dreno, sem acesso, e super brincalhão!!!

Agora, falta muito pouco para voltarmos para nossa casa, e agradecemos a cada instante a Deus pela saúde do Davi.

Obrigado pelas orações e inúmeras mensagens de apoio.

Edgy, Luciana e Família

sábado, 4 de setembro de 2010

Notícias do Davi direto do HCor

Caros(as) amigos(as),

Primeiro, segue uma mensagem da Luciana para vocês:

"Dessa vez pedi ao Edgy para me deixar fazer o email de notícias do Davi, pois até agora não dei notícia para ninguém.
Gostaria de agradecer de coração as mensagens de carinho e força que temos recebido. Eu li todas, sem exceção, mas estava sempre muito aperreada, por isso não respondi. E estava tão sensível que chorava a cada mensagem lida. Fiquei impressionada com tantos amigos, tanta gente rezando pelo nosso Davi.

Vivemos grandes emoções aqui... Mas o que mais nos consola é ver que existem casos muito piores do que o do Davi, e as mães vivem no hospital, cheias de esperança, e se alegram com pequenas melhoras dos seus filhos... Todo dia tem uma mae precisando de ajuda e as outras ajudam, dando força e esperança. As cardiopatias são várias e as gravidades também.

Só temos mesmo muito a agradecer a Deus.

Bom, a melhor notícia já enviada pelo Edgy é que o Davi veio para perto de nós. Estamos num apartamento do HCor 24h grudados no nosso pequeno. Ele está bem, se recuperando a cada dia. Ontem ele fez um eletrocardiograma e está tudo bem. Por isso foi retirado o marcapasso que tinham colocado durante a cirurgia. Ele já está tomando banho numa banheira todo dia pela manhã. Ainda sente um incômodo (talvez dor) pois ainda está com o dreno no pulmão direito, mas temos esperança de que até segunda tirem esse dreno. Após a retirada do dreno, devemos ficar ainda por aqui uns 2 dias. Ou seja, na próxima semana estaremos aí em Fortaleza, se Deus quiser. O médico falou que vamos poder sair do hospital direto para o aeroporto, sem nenhum problema.

Hoje nossa amiga Roberta está chegando aqui para nos ajudar. Fiquei feliz com a vinda dela, pois realmente estamos cansados. Não sei como vamos poder agradecer tamanho favor. Aproveito também para agradecer a Renata por ter vindo com a gente no início. Ela nos deu muita força e cuidou de mim como se fosse a minha mãe, até me acordava com uma vitamina, colocava as roupas do Davi para lavar, lavava louça...Infelizmente meus pais não vieram pois tiveram que ficar com nossos outros filhos, Gabriel e Tiago. Por isso fiquei tão tranquila em relação a eles, sinto saudades, mas estou com o coração tranquilo em relação a eles. Não sei o que seria de mim sem meus pais nesse momento. Agradeço também ao meu irmão Wander pela atenção que tem dado aos meninos e a todos os amigos que têm nos dado força."

A Luciana já deu todas as notícias, então irei apenas complementar um pouquinho.
Demoramos um pouco para dar notícias, pois estamos 24h/dia com o Davi.

Como a Luciana comentou, ontem ele fez o eletro e depois tirou o marcapasso. É um fiozinho que fica dentro da barriga dele, a médica levou ele para uma pequena sala perto do quarto, fez toda a limpeza e em segundo puxou o fio. Ele nem chorou, foi muito bom.

Sobre a Renata e a Roberta, acho que estou pensando seriamente em contratá-las, elas são babás profissionais . Pena que nao tenho como pagá-las, por isto, elas podem continuar cuidando do Davi por caridade . Brincadeirinha... vocês estão sendo demais. Agora a Babá Celeste já está contratada desde o nascimento do Gabriel (quase 8 anos) e tem sido uma “bavó” exemplar.

Aos amigos(as) de São Paulo, como já estamos no quarto, já podemos receber visitas. Tivemos já a visita da Sandra Mara e seu marido, e do Rodrigo do Rio. Além dos padrinhos do Davi que vieram no final de semana passado. O meu amigo de corrida Assis (indicado pela Tamara) esteve aqui, mas como estavamos no meio de um procedimento com o Davi, ele acabou não podendo esperar e não o vi, mas ele foi um dos doadores do Davi. Obrigado a todos pela visita.

Estamos no 6o. andar do HCor, no quarto 608 na Rua Desembargador Eliseu Guilherme, 147 - Paraíso, fica próximo do Shopping Paulista e o metrô mais próximo é o Paraiso. A entrada é em frente a starbucks e basta se identificar na portaria para subir ao 6o. andar. Vejam o mapa em: http://www.hcor.com.br/Localizacao/localizacao_HCor.html

Queria agradecer a todos que já fizeram a doação. Conseguimos mesmo em dia de semana e trabalho já chegarmos a ter 15 pessoas que vieram doar sangue em prol do Davi, porém 6 não estavam aptos por causa de uso de alguma medicação, etc. e já chegamos a 9. Para quem imaginava que seria somente eu, já estamos felizes por que só faltam 7. Sei que hoje, algumas pessoas irão fazer a doação no A.C. Camargo e aproveito para informar que o Banco de Sangue do HCor está fechado de hoje até 3a. feira (feriado) e só abrirá na 4a. feira.
O site http://www.bssp.com.br/ tem todas as informações e é bastante útil para você verificar se está apto a fazer a doação ou não.

A pedidos das gatinhas e futuras gatinhas (se tiver mãe grávida, tá valendo ainda), estou enviando duas fotos do Davi para vocês apreciarem com moderação, ok? A primeira foto é dele em Fortaleza antes da viagem para São Paulo e a segunda foi hoje na cama do hospital. Ele está super bem, e se recuperando a cada dia. Hoje a médica informou que, possivelmente, tiraremos o dreno na 2a. feira e daí, se tudo correr bem teremos alta na próxima semana.

Davi antes da viagem:















Davi no hospital:















Estamos muito felizes.

Com muita fé, continuamos nas orações e agradecendo a Deus pela saúde do Davi.

Edgy, Luciana e Família

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Boas Notícias do Davi

Amigos(as),

Ontem, depois do envio do e-mail, tivemos com o médico e ele falou que o pulmão direito do Davi estava limpinho, porém o esquerdo ainda tinha um pouquinho de líquido (somente foi colocado o Dreno no direito). Foi um dia muito legal para mim e para a Luciana pois ela ficou bastante tempo com ele na UTI (agora leito 01).

Só com o e-mail que passei pela amanhã, ontem recebi alguns telefonemas e alguns amigos se prontificaram a doar, o Ricardo Accioly, conterrâneo e agora quase paulista, esteve aqui no hotel e como não podia doar por que estava tomando alguns medicamentos, trouxe 2 colegas de trabalho e hoje, trouxe o terceiro. Obrigado pela ajuda Ricardo. Além disto, o Geraldo, outro amigo de Sampa, também esteve aqui ontem com sua filha que quer ser médica. Disse que era bom ir logo treinando :-). O Geraldo já é paulista mesmo (mora aqui faz bastante tempo). Obrigado pela companhia e apoio.
Vários outros(as) amigos(as) aqui de São Paulo também me ligaram querendo ver o Davi. Agradeço a eles(as) também.

Voltando a falar do Davi, ontem ele estava mais tranquilo, mais simpático e a Luciana ficou bastante tempo com ele. Para vocês terem uma idéias só conseguimos almoçar (no subway aqui em frente) às 14h30 e ela já tinha nova visita às 16h. O dia passou voando, e foi o dia mais tarde que saímos do hospital (por volta de 22h), isto por que depois da visita das 20h a enfermeira ainda chamou a luciana para voltar às 21h para dar o leite dele.

Chegamos no hotel bem tarde, e estávamos super felizes, pois mesmo sabendo da possibilidade dele ficar mais tempo na UTI, percebíamos que ele estava bem melhor mesmo. Já dava um sorriso para as enfermeiras e pro pai (claro que estava com raiva da mãe que deixou ele naquele lugar... brincadeira, também deu um sorriso para a mãe).

Ontem estávamos conversando e a Luciana comentou que seria tão bom se o Davi já fosse para o quarto amanhã, e eu comentei que achava difícil. Hoje ainda no café da manhã a Luciana comentou que seria bom se ele saisse hoje e eu novamente falei que achava que não. Ela brigou comigo pois disse que estava sendo pessimista, que tinha que pensar positivo. Tinhamos que pensar que ele sairia hoje da UTI e como coração de mãe não se engana, ao recebermos o boletim médico às 10h, o Dr. Carlos (chefe da UTI) disse que os pulmões estavam limpos, que ele iria sair da UTI hoje e que iria continuar com o dreno por mais um ou dois dias só por precaução.

Aquilo nos deixou super felizes!!! O sorriso que demos foi de uma ponta a outra da nossa face!!! Olhamos para o Davi e agradecemos a Deus por este momento. Em seguida, fomos aguardar no 2o. andar sermos chamados para subir com ele. Neste momento, fui ao hotel e já peguei as malas do Davi.

Ainda faltava arrumar as nossas malas, e fechar a conta do hotel, mas eu estava tao feliz que fui e voltei umas três vezes do hospital para o flat (a última foi por que uma das chaves estava com a Luciana). Bom, o hotel é pertinho, uns 500m, o problema é que a ida é descida e a volta é subiiiiddddaaa :-), mas tudo em prol do Davi. Claro que na ultima volta, com as malas eu vim de taxi (ufa....).

Agora, estamos no quarto 608 do Hcor e o Davi está super bem, feliz, e brincalhão. Já tomou até suco de laranja lima. E o melhor, estamos, eu e a Luciana, sempre do lado dele.

Aproveitando, ontem o Davi teve que receber outra bolsa de sangue, não estava com muita anemia mas estava perto e era importante para uma criança cardiopata nao ficar com anemia. Impressionante, como a criança fica mais alerta depois de receber o sangue. Em virtude disto, recebi o papel do banco de sangue cobrando os doadores :-(

Dai, resolvi dedicar uma parte deste e-mail a esta questão da doação:
- Não é obrigado a pessoa ter o mesmo sangue do Davi. O sangue será usado para outro fim e não para o próprio Davi.
- O procedimento é simples e rápido (no meu caso foram 40 minutos desde o momento que cheguei até sair)
- Infelizmente, para o caso de reposição do sangue que o Davi utilizou, somente pode ser feito no banco de sangue de São Paulo capital (algumas pessoas perguntaram se poderia ser nas suas cidades ou interior de SP).

Para mais informacoes acessem: http://www.bssp.com.br/doacao.html na hora de doar pode informar o nome do DAVI RIBEIRO PAIVA - Hospital HCOR - Data Nascimento: 17/03/2010 - Quarto: 608.

Locais para Doação

Hospital do Coração
Rua Abílio Soares, 176 – Paraíso / Telefone: (11) 3053-6537
Horário: 2ª a 6ª feira das 8:00 às 17:00 h
Estacionamento: Rua Des. Eliseu Guilherme, 147

Hospital Prof. Edmundo Vasconcelos
Rua Borges Lagoa, 1450 – Vl. Clementino / Telefone: (11) 5080-4435
Horário: 2ª a 6ª feira das 8:00 às 17:00 h (*) ver exceções abaixo
Estacionamento no local

Hospital A.C. Camargo
Rua Antonio Prudente, 211 – Liberdade / Telefone: (11) 2189-5122
Horário: 2ª a 6ª feira das 8:00 as 18:00 h
Sábados das 8:00 as 17:00 h (*) ver exceções abaixo
Estacionamento: no local – “Estapar”

(*) Exceções: Nos Feriados não haverá expediente.

Para quem perguntou se poderia ser no final de semana, somente pode ser no sábado no Hospital A.C. Camargo.

Agradecemos novamente as orações e obrigado a todos pela doação de sangue.

Edgy, Luciana e Familia

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Novas Notícias do Davi

Amigos(as),

Estamos aqui novamente para dar mais notícias sobre o Davi.

Ontem foi um dia bem diferente, chegamos na UTI para a visita de 10h e de repente chamam leito 01 - Davi Ribeiro Paiva, dai eu levantei e disse, ele não está no leito 01, e sim no leito 35. A pessoa informou que ele mudou de leito, e que agora estava no 01. Entramos aniosos na UTI, e pensando, será que ele agora está numa "semi-intensiva", está melhorando?

Ao entrarmos ele estava bem tranquilo no novo leito, inclusive com um upgrade de TV (era de tubo no leito 35 no meio da sala e agora era uma LCD na parede), ele olhou para a gente e começou a chorar novamente, pedindo aquela ajuda. Naquele momento chega o rapaz do raio X para fazer um raio X dele e avaliar como estava o líquido no pulmão.

Na mesma hora, chega a Dra. Fabiana, cirurgiã da equipe do Dr. Marcelo que foi chamada para fazer a punção do líquido e colocar um dreno no pulmão direito. Disse que ia esperar o raio X para tomar uma decisão, se houvesse uma diminuição do líquido não seria feito a punção, porém, ela falou que não era problemático e que isto iria melhorar a respiração dele e sua recuperação. Bom, aguardamos um pouco mais o raio X e em 10 minutos vimos na tela do computador que realmente estava do mesmo jeito, e que era importante colocar o dreno. A Fabiana nos deu toda tranquilidade e disse que era algo super simples, e que iria melhorar a situação dele. Saímos tranquilos da UTI.

Aproveitei entre o período da manhã e a próxima visita e fui ao banco de sangue aqui do HCor doar sangue. Eu nunca havia doado, pois quando era criança tive hepatite, mas por coincidência na última consulta do Davi com o Pediatra comentamos esta questão e ele me falou que possivelmente eu tive hepatite A e que não era problema eu doar sangue. Isto se confirmou no questionário que eu fiz (triagem) com a moça do banco de sangue, realmente eu poderia doar sangue sim. Apenas por estar tomando remedio para colesterol nao iriam aproveitar as minhas plaquetas. Como marinheiro de primeira viagem, entrei na
sala do banco de sangue a moça se apresentou: Bom Dia eu sou a Dona Vampira :-) Ela era super engraçada, brincava com todos e fazia do ambiente um local animado para se tirar sangue (tinham 4 poltronas confortáveis e uma tv lcd passando telecine). Logo, logo, fiz a doação (480ml) e a recomendação é ficar 2h sem fumar e 24h sem bebida alcoolica e exercicios. Depois teve um lanchinho (suco e um sanduba) e pronto, se não tiver nenhum problema de hepatite no meu sangue, procurarei ser um doador mais constante (homens podem doar 4 vezes/ano e mulheres 3 vezes/ano). Não senti nada e nem fiquei tonto.

Temos que conseguir 16 doadores de sangue, como a Luciana não pode doar por que está amamentando e só eu doei, ficam faltando 15 doadores. Aproveito este e-mail para pedir aos amigos que estão São Paulo ou aqueles que virão a São Paulo nos próximos dias que venham aqui no Banco de Sangue do Hcor fazer a doação de sangue, e informar o nome o DAVI RIBEIRO PAIVA que está hospitalizado no Hcor.
A entrada fica na rua Abilio Soares e segue o mapa: http://maps.google.com/places/br/são-paulo/r-des-eliseu-guilherme/123/-hospital-do-coração?hl=en
A estação de Metrô mais próxima é a Paraiso.

Sempre neste período a Luciana vai ao banco de leite tirar leite para o Davi. Fica no 6o. andar do prédio e ela fica muito feliz quando a produção aumenta, pois sabe o quanto é importante o leite materno para o Davi. Porém, como é muito ligado ao lado emocional, às vezes a produção diminiu, mas ultimamente, tem aumentado.

Ao chegarmos na visita da tarde, o Davi já tinha feito o procedimento (foi feito em 5 minutos) e já estava com o dreno e a bolsa de líquido já continha mais de 150ml de líquido do pulmão direito. Vimos o novo raio X e realmente estava tudo bem com o pulmão direito. Ele estava bem tranquilo e ainda estava dormindo (foi sedado para o procedimento).

A próxima visita seria somente às 20h, e novamente, saímos tranquilos da UTI, pois o procedimento tinha sido um sucesso e ele já estava com o pulmão direito limpinho. Chegamos às 20h e o Davi estava ainda de jejum, não queria se alimentar e deu aquele chorinho de desespero... Bom, acabamos ficando do seu lado, tentamos acalmar, e acabou o tempo (tem uma pessoa que nos chama e avisa: acabou o tempo). Olhamos para a enfermeira e ela percebeu que queriamos ficar um pouco mais e deixou que tentassemos dar o leite do Davi. Ele não queria realmente se alimentar, e começamos tentando dar a mamadeira que vem da nutrição (do hospital) e nada, ele nem colocava na boca, depois eu peguei a mamadeira dele que veio de Fortaleza (e vem da nutrição lavadinha), e trocamos o leite colocando nela. Dai a Luciana utilizou uma técnica de molhar um pouco o lábio dele, deixar pingar algumas gotas, ficar fazendo um carinho e daqui a pouco ele comecou a tomar o leite, mas estava inquieto ainda, e tive que sair de perto (para não atrapalhar) e com muita insistência e carinho a Luciana deu os 90ml de leite para ele. Ficamos super felizes e depois colocamos ele de lado, ele deu um arrotinho e adormeceu. Ficamos cerca de 1h com ele.

Acho que este foi um dos melhores dias em que fomos para o hotel.

Hoje pela manhã a Luciana foi para a visita extra, resolvemos chegar mais cedo e mudar o script do banco de leite, ela iria cedo ao banco de leite para que ele possa tomar o leite dela as 9h na hora da sua visita. A Luciana entrou as 9h e não saiu mais, e quando eu entrei na visita normal das 10h, percebi que ele estava com uma sondinha no nariz (foi colocado pois ele não se alimentou a noite toda), mas a Luciana tinha conseguido com sua técnica, que ele tomasse 70ml. Daqui a pouco, fiquei com ele, estava mais tranquilo, trocando fralda, etc. e ele de repente puxa a sonda do nariz e tira. Tomamos um susto, e a enfermeira falou, bom... eles fazem isto de vez em quando. Como ele tinha tomado 70ml de mamadeira, o médico chegou e disse que não colocasse mais a sonda, que a mãe estava autorizada a ficar com ele e dar de mamar as 12h. Pense numa pessoa feliz era a Luciana com esta nova fase.

Bom, agora são 11h50 aqui, a Luciana ficou a manhã toda com o Davi. Estou ansioso por notícias e às 12h ela vai dar de mamar para ele e dar o complemento também. Só deve sair da UTI para almoçar por volta de 13h.

Em relação ao boletim médico, fomos informados que ele está melhorando, mas não temos previsão de saída da UTI, pois é necessário que o pulmão saia limpinho e também tinha um pouquinho de líquido no pulmão esquerdo (como era muito pouco os medicos nao acharam que era necessario a punção deste pulmão). Nao temos então nenhuma previsão da saída dele da UTI para o quarto, e estamos bem tranquilos em relação a isto, pois só queremos que ele saia quando estiver bem. O fato da Luciana já poder acompanhá-lo mais tempo nos deixar mais seguros e felizes.

Obrigado novamente a todos pelas mensagens de apoio e orações.

Continuamos com muita fé e orando sempre (aqui no hospital tem uma capela no 2o. andar e sempre vamos lá).

Edgy, Luciana e Família

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Situação do Davi na UTI

Amigos(as),

Muito obrigado pelas mensagens de apoio e orações em prol do Davi.

Iniciamos uma nova jornada na recuperação do Davi.

Após a cirurgia ele deve se recuperar na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Na UTI ele tem uma acompanhamento 24h/dia 7dias/semana com profissionais que ficam turnos com ele (auxiliares de enfermagem e enfermeiros) e sempre com o acompanhamento de um médico.

Infelizmente, não é possível estarmos sempre pertos do Davi, pois só temos direito a algumas visitas na UTI. Para vocês terem uma idéia, temos visitas duplas (eu e a Luciana) às 10h30, 14h, 17h30 e 20h. Além destas visitas, existem duas visitas extras para somente uma pessoa (pai ou mãe) nos horários de 9h e 16h. As visitas são em média 15 a 20 minutos.

O Davi está se recuperando bem, porém ele teve nestes 3 dias, uma febrinha, que foi controlada e é normal no tipo de cirurgia dele, porém o que mais nos incomoda e nos deixa realmente tristes, é que ele está sofrendo bastante na UTI. Por ser uma criança cardiopata, ele acabou sendo muito "mimado" por todos da família, ele não dava um chorinho em casa que tinham "n" pessoas para pega-lo no colo, e neste momento devido ao fato dele ter um "dreno", varios fios conectado (medindo frequência cardiaca e também a saturação), sonda para urina, pressão, etc. não podemos pegá-lo no colo.

Sempre que vamos numa visita, continuamos dando carinho, apoio e atenção, mas ele nos olha e chora incansavelmente pedindo nossa ajuda para tirá-lo daquele ambiente, pedindo colo, e isto doi nos nossos corações.

No Domingo, ele ficou super agitado, e fomos para o hotel arrasados pois ele só se acalmou depois que foi sedado. Foi uma noite onde só pensávamos se ele estava bem, se precisava de nossa companhia, mas entendemos que o que estamos fazendo é o melhor para ele.

A novidade é que, no domingo mesmo, colocaram uma TV com o Discovery Kids para ele. Assim, de vez em quando ele fica assistindo TV. É bem engraçado fica uma TV perto da cama dele e o fio da TV a Cabo sai do teto.

Na segunda-feira, ele fez um ECO-Cardiograma para avaliar como estava o coração dele, e o resultado foi excelente, a cirurgia foi realmente bem sucedida, e o coração dele está ótimo. No meio da tarde, a Luciana foi novamente visitá-lo e ele teve uma febrinha que nos deixou bem preocupado e às 17h estivemos os dois com ele e a médica nos informou que ainda tem líquido no pulmão e que eles já iriam tirar o "dreno" que tinha na barriga (ficamos felizes com isto). Na visita das 20h ele estava bem calmo, dormindo, não tinha febre, e já estava sem o "dreno". Fomos para o hotel bem mais felizes.

Ele ainda ficará um tempinho na UTI pois ainda tem líquido no pulmão. A médica informou que vão aumentar o diuretico e aguardar, caso aumente o líquido terão que realizar uma "punção". Esperamos que isto não seja necessário.

Nesta última visita, coletamos uma informação importante: o batimento cardiaco estava normal (por volta de 120) e sua saturação em 100%. Isto confirma o bom resultado da cirurgia e do ECO.

Ainda nao tenho notícias de como foi a noite, espero que tenha sido boa.

Continuamos com as orações e muito obrigado a todos!!!

Edgy, Luciana e família.

sábado, 28 de agosto de 2010

Davi - Novas Notícias

Amigos(as),

Ontem tivemos uma notícia muito triste no horario de 17h30, um dos bebês que estava na UTI e tinha sido operado ontem, não resistiu. A vida aqui no Hospital tem muitos momentos, e ontem ficamos realmente tristes. Era um bebê que nasceu com uma cardiopatia bem grave. Oramos por ele e pedimos a Deus que confortasse toda a família.

Devido a isto, não houve a visita de 17h30, e só fomos ver o Davi no último horário de visita (20h). Saímos tranquilo da UTI pois ele está se recuperando bem.

Nossa amiga Renata foi para Fortaleza hoje. Sua presença conosco foi muito importante, e somos muito gratos por tudo que ela fez. Renata, obrigado por tudo!!! Nao temos palavras para agradecer o que você fez pelo Davi e por nós.

Hoje, pela manhã, às 9h, a LUciana foi para a visita extra (que só pode ser uma pessoa, e só pode ser o Pai ou a Mãe). Foi a primeira vez que a Luciana o viu realmente acordado. Ela ficou muito feliz, mas ao mesmo tempo preocupada. Ele estava meio molinho, gemendo, possivelmente, deve estar sentido alguma coisa, mas toma medicamento para dor.

Ao voltar informou que o Davi teve febre e vomitou. Começamos a nos preocupar, e às 10h30 eu entrei na UTI com a Luciana para vê-lo. Conversando com a enfermeira, tentamos descobrir por que ele vomitou, e chegamos a conclusão que foi pelo fato de terem dado Potássio para o Davi (algo muito ruim) e por isto ele vomitou. Nao tinhamos muito detalhes, por que pelo fato de hoje ser sábado, o relatório médico só iria acontecer na visita das 14h.

Os padrinhos do Davi, Rodrigo e Letícia, vieram hoje nos visitar e passar o final de semana conosco. Chegaram bem, e estão nos fazendo companhia. O Davi vai ficar feliz em vê-los. Valeu pela presença de vocês!!!

Na visita das 14h, a médica comentou sobre os problemas. Em relacao a febre, comentou que neste tipo de cirurgia é comum e que eles fazem uso profilático de antibioticos, mas como ele teve febre, resolveram utilizar um antibiotico um pouco mais forte, mas nao é nada que preocupe. Sobre o vomito, também chegou a conclusao que tivemos, foi o Potássio (ele perde potássio pois tem que tomar diurético para evitar que tenha liquido no pulmão) e iam tentar diminuir a dose na próxima vez que forem dar o Potássio para o Davi.

Temos consciência do sofrimento que o Davi está passando, principalmente, por que ele nos olha com um olhar diferente, geme um pouquinho e sua expressão é de alguém que precisa de ajuda. Consolamos o Davi nos 15 minutos que passamos com ele, cada instante, com palavras de fé, força, carinho e muito amor.

O que nos consola é o fato de sabermos que esta dor é temporária e que logo, logo, o Davi estará conosco.

Medicina não é uma ciência exata, e sei que voces querem saber quando ele sairá da UTI. Infelizmente, nao temos resposta para esta pergunta, apenas sabemos que ele sairá somente quando estiver bem, e não precisar mais de cuidados especiais. Por enquanto passamos o dia todo no hospital e em cada visita, nos informamos da situação do Davi, e fazemos o mais importante: Damos carinho, atenção e amor.

Luciana acabou de chegar com a Letícia da visita de 17h30. Ela disse que foi a primeira vez que saiu super feliz, por que ele estava super tranquilo, dormindo super relaxado e roncando que nem o Padrinho (verdade, rodrigo?). Já tomou o xarope de potássio e não vomitou. Ele acordou um pouquinho e a Luciana e a Letícia cantaram uma música e fizeram um carinho nele, e ele voltou a adormecer.

Volto a agradecer as orações e mensagens que todos enviaram.
Continuamos na corrente de fé e com as orações pelo pequeno Davi.

Abraços,

Edgy, Luciana e Família

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

A Cirurgia do Davi

Amigos(as),

Primeiramente, gostaria de agradecer a todos pelas orações e palavras de carinhos.
Ficamos muito felizes em saber que tinhamos o apoio de muitas pessoas em prol da saúde do Davi.

Davi foi internado na 4ª. feira às 17h no Hospital do Coração (www.hcor.com.br).
Fomos super bem recebidos, e o Davi fez o maior sucesso (não é por que somos pais do Davi, mas ele é uma fofura), estava super simpático e já fomos para o quarto 615 do hospital.

Ao chegarmos lá, recebemos a visita da enfermeira chefe e da auxiliar e em poucos minutos uma médica para fazer a ficha do histórico do Davi. Informamos todo o histórico e ela me explicou os procedimento que deveriam ser realizados:
- Exame de Sangue (hemograma e bioquimica)
- Exame de Sangue para prova cruzada de tranfusão (caso fosse necessário realizar uma transfusão)
- Talvez do Ecocardiograma, mas não foi necessário, pois tinhamo um exame de Fortaleza com menos de 3 meses.
- Eletrocardiograma
- Urina
- Raio X

A primeira dúvida da equipe aqui presente (eu, Luciana e a Renata) era quem iria dormir no hotel e quem iria dormir no hospital, para não ter confusão (todos queriam dormir com o Davi), dormimos os 3. Eu fiquei na cadeira (reclinável e muito boa), Luciana na Cama e a Renata no Sofá.

A noite foi bem animada, pois tivemos que fazer todos os exames. O mais dificil foi o exame de sangue, por ele ser gordinho, era dificl encontrar sua veia, mas parece que Deus estava presente e a enfermeira, mesmo sem perceber a veia, foi pela anatomia (foi o que ela disse) e acertou de primeira (ufa....). E mesmo com o chorinho do Davi na hora, em pouco tempo ele já estava calmo.

Ainda tinhamos que tentar outro acesso para colocar soro e uma medicacao, porem, em consenso com as enfermeiras foi decidido não tentar o novo acesso, e no inicio da manha com a visita da Anestesista, ela confirmou que não era necessario que faria o acesso no centro cirurgico (ele já dormindo com um pequeno anestesico).

Bom, andamos no hospital por volta de 23h para fazermos o raio X, e na madrugada ainda tinhamos que fazer a coleta da urina (e as 6h, verificamos que o “deposito” que colocaram tinha vasado) mas tinha ficado 7ml (o ideal eram no minimo 10). Mas bom, acho que o pessoal do laboratorio fez o exame do 7, não pediram mais urina.

Agora tinhamos um outro desafio, ele precisava ficar de jejum por pelo menos 5 horas (para quem se alimenta entre 2h30 e 3h da ultima refeicao ia ser dificil). Recebemos o OK para a Luciana amamentar até as 8h e a cirurgia seria às 11h. Bom, a última “mamada” foi às 8h e por volta de 9h fez o “eletro” e depois adormeceu um pouco (acordando por volta de 9h30). Daih ficamos aguardando até às 11h com muito ansiedade. Como sempre tem algum pequeno imprevisto, houve uma cirurgia de emergencia e houve um atraso do médico, e tivemos que ficar até as 13h com o Davi já com fome, mas ele foi sensacional, e não chorou... apenas aqueles chorinhos e a Renata ensinou a dança do dinossauro que acalmava ele... ficamos dançando a dança do dinossauro direto  (depois ensino aos papais/mamaes e futuros papais/mamaes).

Bom, descemos ao centro cirurgico às 13h10 e eu, pessoalmente, só conseguia lembrar da cena de uma mae entregando o filho num profissão reporter que tratou de cirurgias cardiacas. Imaginava uma cena muito complicada, mas tudo aconteceu de forma diferente. Descemos com o berço dele, a enfermeira levando o berço comigo, e a Luciana com o Davi nos braços e a Renata nos acompanhando. Foi tudo tranquilo, a médica chegou e perguntou se ele poderia ficar no berço, acabamos colocando ele no berço e ele começou a ser acariciado e mimado por todos (médica, enfermeiras, assistentes, e nós também). Ele estava super alegre, sem chorar e depois nos despedimos dos médicos desejando boa sorte. Claro que depois bate aquela angustia, mas pedimos a Deus que fizesse o melhor pelo nosso Davi.

Depois recebemos a visita de minha prima Jana e seu namorado que, por coincidencia, estavam em SP. Eles acabaram nos ajudando levando a malinha do Davi para o Hotel e ficamos na sala de notícias médicas aguardando novidades. Nós rezamos um terço, e a cada 1h30 recebiamos noticias:
- Noticia 1 – 14h30 - O preparo foi tudo bem (anestesia, circulacao extra-corporea, etc.)
- Notica 2 – 16h – A cirurgia estava em curso, e o medico já havia iniciado os procedimento de correcao do coracaozinho do Davi
- Notica 3 – 17h05 – O medico nos chamava no centro cirurgico para conversar conosco.

Descemos muito ansiosos, e ao chegar, o Dr. Marcelo Jatene já nos esperava com um sorriso muito tranquilo, e disse que tudo ocorreu bem:
Ufa... ficamos aliviados, sentamos na salinha e ele comecou a detalhar o procedimento:
- A primeira noticia é que não foi necessario mexer na arteria pulmonar (tipo colocar uma valvula, que depois deveria ser trocada quando o Davi crescesse)
- Em seguida, comentou que fechou a CIV (Canal Intra-Ventricular) e tambem tinha uma pequena CIA (que ele fechou tambem), e é comum em fallot
- Comentou que reduziu a hipertrofia do Ventriculo Direito
- Falou do pos-operatorio, em relacao a liquidos, estar entubado, etc.

Em seguida, disse que ia voltar para concluir a cirurgia (revisão e fechamento do torax), e que, logo, logo, ele iria para a UTI. Saimos super aliviados desta conversa.

Ficamos felizes com a conclusão desta primeira etapa. Agora é continuar as orações para a etapa seguinte, onde ele vai ficar por cerca de 3 dias na UTI. Estivemos na UTI visitando o Davi ontem às 21h e ele estava super tranquilo, dormindo e uma coisa boa, a saturação dele que antes da cirurgia era 80% (nivel de oxigenio no sangue), agora estava 98%. Sinal bom que a cirurgia foi boa.

Hoje pela manha, estivemos fazendo a primeira visita do dia, e tivemos a notícia que ele seria “estubado” agora pela manhã, e que na visita da tarde, ele talvez esteja acordado. Hoje pela manhã, a Luciana colocou um pouco de gase embebida em agua no seu labio e ele mexia os labios (acho que estava com muita sede).

Agradecemos a todos pelas orações, mensagens de apoio, sms, e-mails, twitters em prol da saúde do Davi.
Entendo que passamos pela 1ª. etapa da cirurgia, e vamos continuar orando para que os passos seguintes sejam tão bem sucedidos quanto este primeiro passo.

Obrigado a todos !!!

Edgy, Luciana e Família.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Quem sou eu?

Meu nome é Davi Ribeiro Paiva, nasci em Fortaleza-CE, no dia 18 de Março de 2010.

Nasci com problemas no meu coração e fui operado em São Paulo-SP.

Através de e-mails enviados pelos meus pais, vou contar um pouco da minha vida para vocês:


Amigos(as),

Em alguns momentos de nossas vidas, passamos por momentos difíceis, e são neste momentos que temos que estar unidos e ter força para enfrentar estas dificuldades.

Nosso 3º. Filho, Davi, nasceu com uma cardiopatia congênita chamada de “Tetralogia de Fallot”.

Tivemos a felicidade de ter um diagnóstico precoce da doença, pois através da Ecografia Fetal (exame feito no 7º. Mês de gravidez) identificamos que o Davi parecia ter uma CIV (Canal Intra Ventricular). O exame foi repetido no 8º. Mês e com 12 dias de vida, fizemos a Ecografia no Davi, onde o médico nos disse que realmente o Davi tinha “Fallot de boa anatomia”, mas que isto era resolvido através de uma cirurgia.

Naquele momento, lembro como se fosse hoje, ficamos arrassados, não entendiamos por que isto aconteceu com o Davi já que a Luciana teve muito atenção e cuidado com o seu pré-natal. No momento de tristeza acabamos encontrando forças para enfrentar a situação e já demos o primeiro passo: Conhecer melhor o problema. Passamos horas e horas navegando na Internet, lendo, entendendo. O pediatra do Davi veio em nossa casa no dia seguinte pela manhã e nos orientou a procurar uma cardiologista pediatrica.

Fiz a primeira visita à médica do Davi no Hospital de Messejana na 5ª. feira da semana santa (ela é responsável pela UTI Pediatrica) e fiquei muito feliz com a conversa que tive com ela, pois além de mostrar segurança no assunto, a Dra. Klebia me pareceu muito humana e gentil. Agendamos a consulta do Davi para a 3ª. feira seguinte e fomos muito bem recebidos pela Klebia.

Estava tudo indo bem, Davi não era cianótico (o fallot é conhecido como síndrome do bebê azul), tinha uma vida normal (só a gente e principalmente a Luciana, que se dedicou de corpo e alma ao Davi, ficavamos sempre preocupado) porém ao chegar no 2º. Mês de nascimento ele comecou a ter crises de hipoxia (falta de oxigenacao no sangue) e acabou sendo internado por 6 dias no Hospital de Messejana onde iniciou a medicação (Propanolol) e fez uma transfusão de sangue (precisava aumentar o indice de hematocrito). Foi um momento super dificil, mas com o apoio da familia, dos amigos, dos médicos e enfermeiras conseguimos superar.

Sabíamos que a melhor época para realizar a cirurgia era quando Davi chegasse no 6º. Mês, e comecamos a nos preparar quando ele completou 4 meses. Fizemos uma visita ao cirurgião cardio-pediatra Dr. Valdester que nos explicou como seria cirurgia e apoiou a nossa iniciativa de realizarmos a cirurgia em São Paulo, por uma questão de infra-estrutura hospitalar.

No dia 22 de Julho fui a São Paulo e fiz uma consulta com o Dr. Marcelo Jatene, que foi indicado pela Klebia e pelo Valdester. O Davi não foi a São Paulo e a consulta foi toda “virtual”, levei todos os exames, um pequeno documento explicando todo o histórico do Davi (inclusive a internação). A consulta foi ótima e o Dr. Marcelo me disse que já podíamos operar, que o quadro clínico do Davi era muito bom, e que apenas deveria resolver as questões burocráticas para realizarmos a cirurgia.

Tudo resolvido e amanhã será o dia da cirurgia do Davi. Saímos de Fortaleza às 6h da manha e o Davi será hospitalizado hoje no Hospital do Coração (HCOR) em São Paulo às 17h.

Estamos confiantes e acima de tudo com muita fé de que tudo vai dar certo. Sabemos que não é algo simples, mas vamos entregar nas mãos de Deus para que ele abençoe toda a equipe médica para que a cirurgia seja bem sucedida e logo, logo, o Davi possa voltar a sua casa.

A cirurgia do Davi será amanhã cedo (5a. feira) e agradecemos antecipadamente a todos que orem por sua saúde.

Edgy, Luciana e Familia.